Programação

20/11 - 20h – Grupo Caxangá

Grupo CaxangáO quinteto se dedica ao estudo da música brasileira através de trabalho autoral e de arranjos que traduzem canções para a linguagem instrumental, dedicando-se com ênfase à música pernambucana com raízes em gêneros locais, a saber: a ciranda, o frevo, o baião e o maracatu nação, experimentando hibridismos, fenômeno típico da chamada música popular urbana.




Sérgio Godoy: piano
Leonardo Pellegrim: Saxofone Tenor, saxofone soprano e flauta
César G. Berton: guitarra
Miguel Mendes: contrabaixo
Marcio Silva: bateria

21/11 - 16h – Magriffe

MagriffeApós dois meses em estúdio trabalhando arranjos, vocais e consolidando uma poética musical própria, a MAGRIFFE traz recém saído do forno, o EP "Estive Lá Fora...", gravado no estúdio Mr. Mouse sob a produção de Leo D. e Sérgio Kyrillos. O trabalho é resultado de um investimento que começou no ano de 2009, a partir de uma pesquisa de sonoridades e temáticas oriundas dos mais diversos interesses que circulavam o ambiente criativo do grupo. Esta produção autoral acabou por ter um tom confessional gerado pela vontade de trazer novas sonoridades à música cantada em português somada ao cuidado poético de composição das letras e timbres das canções do quarteto.

Tomás Brandão: guitarra
Miguel Mendes: contrabaixo
Rodrigo Correia: bateria
Pedro Silva: voz

21/11 - 20h – oQuadro

oQuadrooQuadro é um grupo de música instrumental nordestina, de tendência armorial. O grupo tem por proposta a divulgação, através de gravações e shows, da música nordestina, em especial a de Pernambuco, sob uma ótica que resgate a sonoridade e a singeleza da música e da poesia da tradição popular, porém reescritas por músicos de formação erudita e vivência prática.



Nilton Moreira: flauta
Leonardo Pellegrim: flauta
Aristide Rosa: viola de dez cordas
Cesar G. Berton: violão e cavaquinho
Nelson Almeida: contrabaixo e berimbau pernambuco
Antonio Barreto: percussão

22/11 - 16h – O s Airados

Os AiradosA banda é formada por quatro músicos de Recife, que têm em comum a vontade de trazer à nossa música aquela velha malícia e o lúdico perdidos. Desse encontro, marcado por figuras tão originais e dissonantes, não poderia haver melhor denominação: "Airados", palavra de origem espanhola que se refere aos loucos, vadios e desregrados. Seus integrantes são imbuídos na mais pura essência do rock e para eles a criatividade é um caminho de múltiplas vias.




Rodrigo Espínola: vocal e guitarra rítmica
João Victor: vocal e guitarra solo
Michel Laroni: vocal e contrabaixo
Gabriel Morais: bateria.

22/11 - 20h – Araça Blu

Araça BluA Araçá Blu surge para o mundo compartilhando sons e sentimentos. Ao construir um projeto autoral criativo, o grupo explora as facetas da música popular brasileira e sustenta um trabalho que não se prende a rótulos. A Araçá transita entre estilos como Samba, Rock, Regional e Experimental, e desse percurso brota um resultado que se encaixa num lugar comum entre prazer e liberdade.


Marcello Rangel: voz e guitarra
Clara Torres: voz
Priscila Gama
: voz e flauta
Henrique Almeida
: contrabaixo
Samuel Nóbrega: piano, escaleta, guitarra e cavaquinho
Pedro Santana: percussão e cavaquinho
Ricardo Peixoto
: bateria

23/11 - 16h – Lucas Notaro e os Corajosos

Lucas NotaroEste trabalho resulta no Show de Lucas Notaro e Os Corajosos, cuja fusão musical de todas as influências absorvidas por Lucas Notaro revela novos ritmos, nuances e texturas sonoras. Para este trabalho, as melodias serão marcantes, inspiradas em emoções presentes nas relações humanas, transitando por diversas culturas, sejam elas urbanas, periféricas e/ou rurais. Algumas das músicas desse novo álbum são: Sem Você, Quando é frevo não tem freio, Atmosfera temporal, Tom maior, Varanda, Sensação, Conversa, Recarga Particular, entre outras.


Lucas Notaro: voz e violão
Tiago West: cavaquinho
Nildo Bass: contrabaixo
Betinho Lima: percussão
Ivo Lage: bateria

24/11 - 14h – Mesa Redonda: "E dá pra Estudar essa Música?"

Um Debate Sobre as Múltiplas Abordagens sobre Música Popular, com Paulo Marcondes (UFPE), Carlos Sandroni (UFPE) e Heloisa Feichas (UFMG) e Ana Carolina (UFPE) que fará a mediação.

25/11 - 18h – Patrícia Solis

Patrícia SolisCAMUCAIS traz a influência da África presente na música popular brasileira dialogando com elementos pop. É alegre, dançante, romântico e brinca com a essência feminina da nossa miscigenação. O álbum de estréia de Solis foi gravado no Fábrica Estúdios. A produção musical é de Juliano Holanda e de Fumato. O show já foi apresentado no Teatro Maurício de Nassau, no projeto Observa e Toca, no Bar Burburinho e na Casa 3 da Ribeira, em Olinda/PE. O CD foi lançado no Festival Rec-Beat 2011 e no Carnaval Multicultural de Olinda. Após um período fora do Brasil, Solis apresentou o relançamento do CD na Livraria Cultura, em abril de 2012.

Solis (voz) | Ivan do Espírito Santo (sax, flauta e escaleta) | Carlos Amarelo (bateria e percussão) | André Mucuim (baixo) | Marconi Ribeiro (guitarra) | Sabrina Sabino (vocal) | Fumato (técnica) e Edmilson Barros (roadie).

25/11 - 19h – Publius

PubliusO zelo com o arranjo e a busca por novas sonoridades é uma constante na música produzida em Pernambuco nos últimos anos. Cantor, compositor e músico recifense, Publius topou também o desafio do primor pela canção, reforçando a necessidade de compor.

Agregando trajetórias musicais, ele também faz parte de trabalhos como Azabumba, Rabecado e Baião Polinário; contribui com diversos artistas como Geraldo Maia, Tonino Arcoverde, Joaquim Izidro, Fim de Feira, Mônica Feijó e Gonzaga Leal e coletâneas lançadas no Brasil, como o "Frevo do mundo" e no Japão, "Nordeste Atômico". Publius lança finalmente um trabalho individual onde pode mostrar a sua música, seu solo. Começou a gravação de seu primeiro disco solo em 2009. Sem pressa, após três anos ele concluiu seus trabalhos nos Estúdios Malunguim, sob a direção musical de Pierre Leite.

Sob as influências sonoras dos anos 70 com seus tons progressivos, bem como a aura de outras Minas Gerais e qualquer lugar do mundo, Publius destaca sua unicidade com timbres que se voltam por completo à essência da canção. Em 2012, este "solo" que recobre as rochas, onde é possível desenvolver-se a vida, pode significar também o encontro consigo mesmo ou o solo de um músico-instrumentista. Um terreno fértil para dar vida e vazão ao sonho, raiz de tudo o que faz bem ao mundo.

Publius - Guitarra, Violão 12 cordas, voz
Pierre Leite - Teclados, monotron
Hugo Linns – Baixo
Christiano Lemgruber - Bateria.